Facções criminosas se instalam no DF

0
158
JORGE SANTOS/AE CONTEÚDO

Matéria intitulada: “PCC e Comando Vermelho estão presentes em seis cidades do DF” do Portal Metrópoles relata sobre a expansão do crime organizado no DF.

Não é de agora que o “crime organizado” vem se instalando no território. Há alguns anos na Estrutural já era perceptível tal atuação. Agora, chega ao ponto de não mais poder se esconder tal realidade.

Segundo a matéria, duas das maiores facções criminosas do país estão em pleno processo de expansão na capital do país. De acordo com a Polícia Civil, integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) e do Comando Vermelho (CV) concentram-se em seis regiões administrativas (veja no mapa mais abaixo). Além dos bandidos que promovem ações violentas nas ruas, os investigadores monitoram pelo menos 310 presos custodiados no Complexo Penitenciário da Papuda.

Facções no mapa

As investigações da PCDF permitiram identificar os locais com maior concentração de faccionados. Segundo os policiais ouvidos pela reportagem, o PCC é a que tem mais representatividade, apesar de ainda não ter se articulado de forma efetiva.

O Comando Vermelho é baseado, principalmente, nos presídios do Entorno do DF, mas há registros de faccionados na Estrutural. Já o CDC nasceu no Recanto das Emas e no Riacho Fundo. Porém, nos últimos anos, expandiu seus tentáculos para Santa Maria e Gama.

As duas quadrilhas têm atuação transnacional: atuam no comércio de armas, tráfico de drogas e são apontadas como responsáveis por centenas de homicídios. Além do PCC e do CV, há um outro bando que desperta a atenção da inteligência policial candanga: nascido no Distrito Federal, o Comboio do Cão (CDC) cresceu de forma isolada e, aparentemente, não tem vínculo com outras organizações.

Fora as três facções presentes em território brasiliense, prisões realizadas neste mês de junho deixaram em estado de alerta a direção da PCDF. Pela primeira vez, a corporação prendeu, no DF, marginais que dizem pertencer à Família Do Norte (FDN). A operação ocorreu no dia 18. Segundo a 13ª Delegacia de Polícia (Sobradinho), o bando é suspeito de traficar entorpecentes, comprar e vender armas clandestinamente, além de realizar furtos de celulares em grandes eventos.

Não se pode fechar os olhos para tal expansão de criminosos na capital federal. As polícias precisam se especializar para enfrentar a nova ameaça.

Com informações do Portal Metrópoles