Ibrae anula provas do concurso público da Sedest após confusão

0
52

Após a confusão que resultou nocancelamento das provas vespertinas do concurso da Secretaria de Estado do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos (Sedest), os exames aplicados durante a manhã deste domingo (24/3) foram anulados. A decisão foi anunciada, por meio de nota, pelo Instituto Brasil de Educação (Ibrae), que informou que em breve vai divulgar as datas da próxima prova. 

Confira o comunicado completo:

“Em razão do atraso ocorrido na distribuição da prova na Universidade Paulista (UNIP) e do consequente tumulto causado por alguns candidatos, a direção do Ibrae decidiu anular a prova cuja aplicação teve início na manhã de hoje, às 8, para os cargos a seguir. Em breve, será divulgada a data da próxima prova”.

Entenda

O certame estava previsto para as 8h deste domingo (24/3). Mas, ainda de manhã, a  banca cancelou a aplicação das provas no período vespertino alegando que a decisão foi por conta do atraso ocorrido na distribuição do exame para concurseiros na Unip e pelo “tumulto causado por alguns candidatos”. Pela manhã, bagunça e indignação marcaram o certame. 
Candidatos que fariam a prova na Unip relataram atraso — já que a prova foi entregue uma hora e meia depois do previsto para muitos  —, desinformação dos fiscais de sala e a falta de organização no geral. Diante da desorganização, alguns candidatos saíram da sala, outros tiveram a prova recolhida, alguns permaneceram para saber o que seria feito. 

Denúncia de fraude 

De acordo com relatos de candidatos, além do atraso excessivo, muitos envelopes não estavam lacrados e até mexer no celular era permitido dentro de sala enquanto os candidatos tinham acesso ao caderno de provas. 

Concurseiros disseram também que não havia detector de metal na entrada, o cartão de respostas não foi entregue aos candidatos e os chefes de sala não conseguiam se comunicar com o Ibrae. Com isso, as pessoas de algumas salas acabaram sendo liberadas enquanto outras faziam a prova em outros locais.

Informações do Jornal Correio Braziliense