Custodiados de seis municípios goianos realizam prova para avaliar o aprendizado de jovens e adultos que não concluíram os ensinos fundamental ou médio

Na manhã desta quarta-feira (13/10), nas unidades prisionais de Jaraguá, Jussara, Inhumas, Itapuranga e nos presídios femininos de Paranaiguara e Serranópolis houve a realização de provas do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para Pessoas Privadas de Liberdade (Encceja Nacional PPL). O objetivo da avaliação é conferir as competências e habilidades educacionais para jovens e adultos que não concluíram o ensino fundamental ou médio na idade correta.

Em Itapuranga, quinze custodiados realizaram as provas, em Jaraguá, dez e em Serranópolis, oito. Na Unidade Prisional Regional Feminina (UPRFEM) de Paranaiguara, as avaliações tiveram início nessa quarta-feira e terão continuidade na quinta-feira (14/10). Neste presídio, 18 presas fazem as provas do ensino fundamental e 10 para o ensino médio. O mesmo acontece no presídio de Jussara, onde quatro detentos realizaram a prova hoje e outros sete farão o exame amanhã.

Segundo o diretor do presídio de Jaraguá, Danilo Neves, a aplicação das provas é uma ação fundamental para contribuir com a ressocialização dos presos. A diretora da UPRFEM de Paranaiguara, Márcia Tavares, também acrescentou que a baixa escolaridade é um dos fatores que dificulta a reinserção social de população privada de liberdade. “O Encceja materializa a possibilidade da ressocialização pela educação, traz uma nova oportunidade às internas e faz com que se sintam úteis a si mesmas, às suas famílias e à sociedade”, completa Márcia.

Sobre o Encceja

O Encceja é um programa do Governo Federal que existe há 19 anos, desde 2002. As provas são aplicadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), com o apoio das secretarias estaduais e municipais de educação.

Por meio do exame, os participantes podem receber o certificado de conclusão das fases escolares. Além disso, a avaliação também contribui para medir os índices educacionais no país. Com base nos resultados, podem ser pensadas alternativas e políticas públicas direcionadas para melhorias na educação de jovens e adultos.

FOTOS:

Diretoria Geral de Administração Penitenciária – DGAP
Comunicação Setorial

Fonte: SEAP GO
Redaçãohttps://aderivaldo23.com
Portal Especializado em Segurança Pública e Política.

NOTÍCIAS RELACIONADAS