Patrulha da moda: o que pode ou não ser usado no dia a dia da PMDF

Regulamento publicado no DODF restringe uso de acessórios, obriga maquiagem para mulheres e estabelece padrão de corte de cabelo

0
79
Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

Além de atuar no combate ao crime nas ruas da cidade, os policiais militares devem estar sempre atentos às regras sobre a aparência. As normas são definidas no Regulamento de Uniformes da Polícia Militar (PMDF), que foi atualizado nessa quinta-feira (4/4). Com uma farda mais moderna, criada a partir de tecido resistente a fatores como sol, chuva e óleo, a corporação reduziu as variações das vestimentas, mas manteve tradições antigas, como exigir cortes de cabelo “estilo militar” para homens e coque como penteado para mulheres.

O documento com as mudanças foi publicado no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF). Considerado uma espécie de manual da corporação, dita regras gerais como o uso correto dos trajes militares e outros pontos mais específicos, além dos cuidados com a apresentação pessoal.

Criado por uma comissão composta por 13 oficiais – 11 homens e duas mulheres –, o manual demorou três anos para sair do papel. Ele reduz de 50 para 20 o número de uniformes existentes para situações diversas, como o de gala, o administrativo e o de atividades físicas. Em média, cada membro da PMDF precisa ter no armário pelo menos seis modelos, a depender do batalhão ou grupamento.

Para se ter ideia, um uniforme de gala da Polícia Militar custa cerca de R$ 1 mil. O conjunto para homens inclui quepe, camiseta meia-manga, túnica preta com platinas pretas de galões dourados, tarjeta ou distintivos, cinto, calça reta preta, meias sociais pretas e lisas, além de sapatos pretos. Para as mulheres, a diferença é uma meia-calça, a saia e o sapato de salto.REPRODUÇÃO / PMDF

Reprodução / PMDF

Traje de gala é uma das exigências do manual da PM: unidade custa em média R$ 1 mil

Já o novo uniforme do dia a dia, o chamado administrativo, custa bem menos aos bolsos dos policiais: cerca de R$ 200, de acordo com a corporação. O comitê que trabalhou na modernização das regras garante que, embora sejam bem produzidos, não haverá custos extras para a PMDF, já que a aquisição é feita por cada militar. Os servidores recebem, graças a uma lei federal, ajuda de custo anual para a compra da farda no valor aproximado de R$ 1,5 mil.

Segundo o major Giuvany Menegasse, integrante do grupo de trabalho, não houve grandes mudanças nas confecções. “O que aconteceu é que estamos trazendo tecnologias para os uniformes tradicionais a fim de favorecer o trabalho policial”, disse ao Metrópoles. O novo tecido é resistente à água, a óleo e raios solares. Alguns grupamentos têm a roupa com retardante a chamas. “Temos uma incidência grande de policiais com problemas na pele por conta da exposição ao sol e isso reduzirá o número de afastamentos por essas questões”, explicou o oficial.

Lentes, tatuagens e acessórios

As novas regras não se restringem à padronização das fardas dos oficiais e cadetes. O regulamento determina ainda como o policial deve estar vestido, veda o uso de peças com tamanhos que reforcem “o formato do corpo”, proíbe o uso de lentes de contato coloridas e permite o uso de tatuagens, desde de que não afetem “a honra pessoal ou o decoro da classe, a exemplo de símbolos ou inscrições que façam alusão a ideologias terroristas, discriminação ou preconceito de raça, credo, sexo ou origem e de ideias ou atos libidinosos”.

Sobre os acessórios, o regulamento reforça a proibição de piercing nasal, de língua, labial, de face, na sobrancelha e na orelha. Há ainda limitação de um cordão no pescoço, desde que seja metálico ou em tecido. Até mesmo os anéis receberam restrição. De acordo com o texto, só é permitido o uso de até dois itens, dourados ou prateados, e é proibido o uso deles no dedo polegar. Brincos, por exemplo, só são permitidos um par por policial feminina.

Cabelo e maquiagem


As mulheres que integram as tropas também tiveram capítulos especiais. Além de uniformes específicos para as gestantes, a PMDF determina como obrigatório o uso de produtos de beleza no rosto. As maquiagens são divididas para duas situações: a simples, composta por batom, base e pó de rosto, com sombra e rímel opcionais; e a completa, formada por base e/ou pó compacto, blush (rouge), sombra, batom, rímel e lápis para olhos opcionais. A primeira é para o dia a dia e a outra, de uso obrigatório em desfiles, solenidades e representações oficiais.

O regulamento é categórico ao exigir o embelezamento das mulheres enquanto estiverem a serviço da corporação. A única exceção é se houver alergia ou intolerância aos produtos. “Em caso de prescrição médica ou determinação superior fundamentada, a policial militar feminino será
dispensada do uso de maquiagem e de outros produtos”, destaca a norma.

Para as mulheres, a instituição também “libera” apliques capilares e até o estilo rastafári, “desde que seja no mesmo tom de cabelo usado, devendo, obrigatoriamente, ter comprimento e quantidade moderadas, para o uso do coque sem excessivo volume”. Pela variedade de tipos de cabelo, a PMDF orienta que “todos devem ser cuidadosamente penteados e arrumados, a fim de conter o volume, o que possibilitará o uso correto das coberturas e a manutenção da estética, uniformidade e harmonia na apresentação pessoal”.

As franjas também são permitidas, “desde que seu comprimento não exceda a linha das sobrancelhas e, ao utilizar cobertura, a franja da policial militar feminino não fique à mostra”. Embora seja comum em mulheres vaidosas, a corporação limita que as policiais ousem na cor dos cabelos. “A coloração artificial do cabelo deve ser feita utilizando somente as cores naturais do cabelo humano, em tonalidade discreta e compatível com o uso do uniforme militar, sendo vedada a alternância de cores na coloração artificial”, determina.

Higiene

A PMDF estabelece, ainda, cuidados e assepsias das mãos. De acordo com as normas, as unhas das mãos e dos pés das policiais militares femininos “devem estar sempre aparadas e tratadas, de forma a manterem-se higienizadas e poderão ser pintadas com esmalte base ou esmalte em cores claras ou escuras, em cor única, sendo vedado o uso de esmaltes com coloração múltipla, não sendo permitidos desenhos, pedras, ou outros adereços com apetrechos desenhados, colados ou sobrepostos”.

A todos da instituição, fica vedada ainda o uso de barras de calças em tamanho fora do padrão. “A barra das calças e de todos os uniformes deverá ter quebra média, clássica, barra feita (ligeiramente na frente do calçado e na linha de cima do salto na parte de trás), tangenciando a parte superior do solado de trás”.REPRODUÇÃO

Reprodução
Certo ou errado? PM ilustra como deve ser a barra das calças usadas por oficiais

Tratamento isonômico

De acordo com o major Menegasse, as regras são históricas e inspiradas nas tradições das forças militares. “Se alguém vai trabalhar em uma empresa aérea, por exemplo, precisa estar impecável. Nosso objetivo é ser tão ou mais exemplar do que os comissários de voo. A gente vem de uma sociedade plural, com características diferentes. Então, a uniformização de procedimentos é sempre uma forma de tratar todos de forma igual”, disse.

Em 2017, a Polícia Militar do DF chegou a anunciar a criação de um grupamento exclusivo, vinculado à Corregedoria, para fiscalizar a aparência dos PMs nas ruas. O grupo foi denominado de Policiamento Ostensivo Disciplinar (POD), composto por integrantes do Departamento de Controle e Correição (DCC). Os policiais lotados na missão abordavam os colegas nas ruas e os avaliavam de acordo com uma lista elaborada pela corporação.

Nos dias de hoje, o policiamento interno está menos rigoroso. Agora, cabe a cada superior dos grupamentos e batalhões fiscalizar a tropa. “Se é verificado que o policial está de cabelo grande, mal cortado ou com o traje irregular, ele é chamado de forma discreta e avisado de que está fora dos padrões. Isso, obviamente, sempre garantindo o direito ao contraditório”, disse o major.Se não tiver nenhum caso anterior e a infração for muito grave, recebe advertência. Se já houver histórico de desobediência, há a repreensão. Em casos mais graves, com registros raros, pode ocorrer a detenção administrativa, mas em casos muito extremos”Major Giuvany Menegasse

A última versão das regras sobre o uso e o modelo das fardas havia sido publicada no DODF de 31 de janeiro de 2013. Já as “normas referentes a aspectos da apresentação” para policiais do sexo feminino eram estabelecidas pela Portaria n° 332/2001, há 18 anos.

Veja a galeria com os novos uniformes:

uniope7
uniope8
uniope9
uniope10
unipasseio
unipasseio2
unipasseio3
unipasseio4
unisaude
unisaude2
unisaude3
unisaude4
unisaude5
unisaude6
unisaude7
unisaude8
unisaude9
unisaude10
unitrein
unitrein2
unitrein3
unitrein4
unigala
unigala2
unigala3
unigala4
unigala5
uniadm
uniadm2
uniadm3
uniadm4
uniadm5
uniadm6
unihist
uniformehistorico
unimanu
unimanu2
uniope
uniope2
uniope3
uniope4
uniope5
uniope6
uniope7
uniope8
uniope9
uniope10
unipasseio
unipasseio2
unipasseio3
unipasseio4
unisaude
unisaude2
unisaude3
unisaude4
unisaude5
unisaude6
unisaude7
unisaude8
unisaude9
unisaude10
unitrein
unitrein2
unitrein3
unitrein4
unigala
unigala2
unigala3
unigala4
unigala5
uniadm
uniadm2
uniadm3
uniadm4
uniadm5
uniadm6
unihist
uniformehistorico
unimanu
unimanu2
uniope
uniope2
uniope3
uniope4
uniope5
uniope6
uniope7

Informações do Portal Metrópoles