Possível punição: Deltan Dallagnol enfrentará sessão do Ministério Público

Nos tribunais de Brasília é dada como certa alguma punição ao chefe da força-tarefa da Lava-Jato a partir da próxima terça-feira (13/8), durante sessão do conselho do Ministério Público

0
32
(foto: AFP / Heuler Andrey)

O Livro as 48 Leis do Poder, dos autores Robert Greene e Joost elffers, traz em sua 10ª lei, pág. 104, uma mensagem que parece ser seguida à risca por alguns governantes – “Contágio: Evite o infeliz azarado.”

Nela os autores afirmam que “a miséria alheia pode matar você”, diz também que “estados emocionais são tão contagiosos quanto as doenças”, continuam afirmando que “Você pode achar que está ajudando o homem que se afoga, mas só está precipitando o seu próprio desastre”. Eles deixam claro que “os infelizes às vezes provocam a própria infelicidade; vão provocar a sua também”. Por isso, “associe-se, ao contrário, aos felizes e afortunados.”

É natural pessoas que caem em “desgraça política” ou “descrédito” serem abandonadas politicamente a sua própria sorte. Parece que será o futuro dos ex-todo Poderosos da Lava a Jato Deltan e Moro.

Segundo a Folha de São Paulo, O presidente Jair Bolsonaro fez a seguinte a afirmação sobre o Ministro Moro:

Já O Globo afirma que “Perfil de Bolsonaro compartilha post que chama Deltan de ‘esquerdista estilo PSOL”.

Já o Jornal Correio Braziliense afirma que “no “olho do furacão”, o chavão um dia usado pelo procurador Deltan Dallagnol para se vender como palestrante nunca foi tão apropriado, como agora, para descrever a situação do chefe da força-tarefa da Lava-Jato. Com o vazamento dos diálogos entre procuradores de Curitiba e o escândalo das atividades privadas, além de indícios de direcionamento das investigações sobre personagens específicos, o pato-branquense de 39 anos está acuado. Nas rodas dos tribunais de Brasília, é dado como certo algum tipo de punição a ele a partir da próxima terça-feira (13/8), durante sessão do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).”

Não podemos esquecer que a política é feita de gestos e sinais.